Vamos tomar uma?

Posted on 09/06/2007

0


por Janaíra Nogueira

Quarta-feira, meio da semana. Para relaxar do estresse urbano um dos programas mais comuns é sair para beber uma cerveja bem gelada e se divertir com amigos. Tudo na dose certa, porque a semana de trabalho só chega ao fim na sexta-feira. Pois bem, nos Barris, um dos bairros mais antigos de Salvador, esse costume ganha força, nome e lugar certo: Beco de Rosália. Lá a quarta-feira é dia de cerveja gelada, música e literatura.

Referência entre artistas desconhecidos, intelectuais e para os que procuram entretenimento cultural, o bar possui características individuais que chamam a atenção daqueles que passam por ali. Com decoração inovadora, de um amarelo vibrante e colagens de materiais digno de colecionadores que vão de vinil á azulejos exóticos, localizado próximo á locais de entretenimento alternativo; o que colabora na seleção natural dos clientes; o beco mostra para os freqüentadores que o seu maior atrativo esta no conteúdo e não na aparência: por todo bar existem livros.


Livros em um bar? Sim, e alguns desses livros são vendidos e lançados lá mesmo, no evento conhecido como “Quarta Literária”. Em meio às 12 mesas ornamentadas com tecidos floridos que lembram o clima de interior o autor busca um contato pessoal mais intimo com seus futuros leitores, tentando assim encontrar nos clientes conforto para o destino incerto da sua obra.

Apoiada pelas performances teatrais que transportam a platéia para a realidade da estória, combinadas com palestras e debates sobre os temas abordados na obra apresentada, a literatura além de ser destaque da noite ganha uma vestimenta mais atraente para o público atento. Escritores independentes como João Fabrício Oliveira, autor de “O Demônio Na Arvore”, descreve a experiência como “enriquecedora por apresentar a performance e o livro num espaço não convencional”.

O evento foi idealizado por Nelma Manchester, freqüentadora do bar e secretaria executiva da Câmara Baiana do Livro (CbaL), que percebendo a singularidade do Beco sugeriu ao proprietário Fabrício Marílson unir-se a entidade para lançamentos e comercialização das obras publicadas pela instituição.”A parceria tem como objetivo a exposição de livros e conversas com escritores num local agradável divulgando a produção literária no estado da Bahia”, diz Nelma. A Quarta-Literária já rendeu edições da Cbal e outras quatro, independentes, além de proporcionar uma maior visibilidade dos lançamentos na mídia, em cadernos de cultura e programas especiais na TV.

O Beco de Rosália se transformou em algo maior que um bar versátil. Conquistou status de Espaço Cultural, pois, realiza exposições de arte, cultura, cordel e etc. “Aqui vivenciamos cultura, arte e música no mesmo espaço” afirma Rosália dos Santos, 47, que utiliza o espaço aberto ao público para declamar poesias feitas por sua amiga Sheila Fabiani, poetisa desde a adolescência. Elas contam que ao saber da existência de um bar com o mesmo nome de Rosália, logo se interessaram “em tomar parte” e agora são presenças constantes no local.

O clima receptivo e ambiente aconchegante fazem com que os clientes sintam-se em casa. Segundo Cristina Lima, considerada a madrinha do Beco, o lugar proporciona não só uma reunião com os amigos queridos, mas um bom papo, boa leitura e comida saborosa. Para ela, a quarta é especial porque permite um contato maior com os autores das obras, que fazem palestras, aguçando a curiosidade e conduzindo o público a um maior exercício da leitura. Para Fabrício a Quarta – Literária “é uma prova de que as pessoas ainda estão vivas”.

Cada cliente utiliza o espaço com intuitos diferente, pois assim é constituído o seu público, diversificado, afirmando o lema do bar ”Respeitando as diferenças”. Semirames Sé mostra a poesia de rua do grupo Biblioteca Tinerante, do qual faz parte. Rogério de Snatus declama sua poesia e lança seus livros de cordel. Nei Machado, Ivânia Santos e Sizoca, juntos, cantam e encantam o público com o mais variado repertório, ganham visibilidade sendo a principal atração musical. Marina Lima, 18, estudante de direito, busca inspiração para entender o Código Penal. A menina nem de longe chama a atenção por ter como local de estudos acadêmicos um bar, já que o sentimento da maioria dos que ali se encontram é o de: “estar em casa”.

Com pouco mais de um ano em funcionamento, o lugar tem público fiel. Marílson dono do bar transformou o Beco em extensão da sua casa, trata os clientes como amigos de longa data, dirigindo-se a eles pelo nome e os recebendo na porta. A descendência italiana fica visível nas pizzas feitas artesanalmente; os seus interesses na literatura expostos nas prateleiras, tudo compartilhado com os “amigos”. Uma das suas maiores paixões é declarada no nome do bar, Rosália, sua mãe, que faleceu no ano de 2004. Quando ouvir a frase “vamos tomar uma?” , considere a possibilidade de a cerveja ser apenas um aperitivo e não a atração principal. Você pode degustar de poesia ou molho de baianidade, temperada com literatura universal e música, para acompanhar! Então, vamos tomar uma? Uma dose de literatura, poesia, e cultura pelos becos da cidade.
(maio de 2007)

 

Anúncios
Posted in: CULTURA